S.O.S. PORTUGUÊS DE A a Z

81 visualizações

aborrecer – V.t.d. no sentido de causar aborrecimento; sentir horror a; detestar; abominar; desgostar; contrariar; repelir com horror. Exemplos:

1) “As pilhérias, que faziam Raposo achar graça desbragadamente, hoje só o aborreciam.” (Carlos Roberto Vazconcelos. Mundo dos Vivos. p. 28, 2008).

2) Eu entendo que aborreças tua amada.

3) “O homem deve aborrecer a injustiça.” (Caldas Aulete. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Delta, 4ª ed. 1958).

4) “Não, não entendia. Aborrecia o outro e evitava-o.” (Moreira Campos. A Gota Delirante. p. 25, 2014).

5) (…) “Conrado Jacob, aborrecido com a recusa dos presos, resolve eleger para verdugo Agostinho Vieira, condenado pela justiça comum.” (Rogaciano Leite Filho. A História do Ceará Passa por esta Rua. p. 11, 1988).

  • V.t.i. além de pronome reflexivo, no sentido de ter aborrecimento, enfadar-se, enojar-se, enfastiar-se. Exemplos:

1) “Evidentemente, Virgília começava a aborrecer-se de mim, pensava eu. ” (Machado de Assis. Memórias Póstumas de Brás Cubas).

2) “Passa-se um ano, o sedutor aborrece-se da companheira, abandona-a em um quarto de hotel.” (Graciliano Ramos.  Linhas Tortas).

3) “Fui almoçar com Crommelim na pensão Smart e decidi naquela ocasião fazer mais perguntas sobre Einstein, do mesmo modo como aqueles ingleses perguntavam sobre todas as coisas. Não haveria de se aborrecer.” (Ana Miranda. O Peso da Luz. p. 151, 2013).

4) “A mulher voltava a aborrecer-se: Não faça diferença entre eles.” (Moreira Campos. A Gota Delirante. p. 52, 2014).

5) “Comecei a procurar meus filhos que não apareciam para o lanche. Precisava encontrá-los antes que a mãe deles se aborrecesse.” (Assis Almeida. Histórias que Motivam. p.159, 2015).

  • V.int. causar horror, aversão, tédio, aborrecimento, enfado. Exemplos:

1) “Os seus discursos aborrecem” (Caldas Aulete. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. 4ª ed. 1958).

2) “Mais dificultoso é aborrecer sem causa, que amar com razão.” (Caldas Aulete. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa).

Author: Prof. Sebastião Valdemir Mourão

SÍNTESE SOBRE O AUTOR

Professor universitário aposentado.

Nasceu em Ipu Ce a 24/06/1952.

Mestre em Letras / Linguística pela UFSC em 1989, onde foi membro da comissão que reestruturou o curso de Mestrado e que implantou o Doutorado em Letras na  Universidade Federal de Santa Catarina.

Lecionou nos melhores colégios do Ensino Médio de Fortaleza. Recebeu várias honrarias como professor e possui diplomas de cursos e seminários nacionais e internacionais.

É membro de várias associações e academias, dentre elas ocupa a cadeira n°19 da Academia Cearense da Língua Portuguesa  da qual foi seu presidente em dois mandatos e a cadeira nº 2, da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes da qual foi presidente e fundador.

Foi Conselheiro do Conselho Estadual de Educação do Ceará, ocupando a Presidência da Câmara de Educação Básica por vários anos.

Figura na Enciclopédia de Literatura Brasileira de Afrânio Coutinho; no Dicionário da Literatura Cearense de Raimundo Girão e Maria da Conceição Sousa e na mais recente publicação da crítica cearense, intitulada Crítica Reunida de Giselda Medeiros.

Você também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais